Indicador nº 24

Proporção de óbitos nas internações de residentes por infarto agudo do miocárdio

Conceituação

Percentual de óbitos ocorridos nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), de residentes de 20 anos e mais, de determinado município, no período considerado.

Interpretação

Mede o risco de morrer por Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), após a internação por tal causa.
Expressa também as condições de diagnóstico e da assistência médica dispensada.
Como o bom prognóstico da atenção ao IAM está diretamente relacionado ao tempo decorrido entre o início do evento e a assistência, esse indicador mede também, indiretamente, a qualidade e presteza do diagnóstico e da atenção pré-hospitalar.

Usos

Analisar variações populacionais, geográficas e temporais da mortalidade das internações por infarto agudo do miocárdio em segmentos populacionais, identificando situações de desigualdade e tendências que demandem ações e estudos específicos.
Apontar a necessidade de estudos específicos da qualidade da atenção pré-hospitalar.
Subsidiar processos de planejamento, gestão e avaliação de políticas públicas de promoção, proteção e recuperação da saúde, concernentes às doenças do aparelho circulatório.

Limitações

O não acesso à assistência médica e, portanto, a falta de diagnóstico dessa doença, pode resultar na nula ou pouca ocorrência de internações por IAM, acarretando subregistros dessas internações e variações bruscas (baixas ou altas) das proporções de óbitos nas internações.
A inexistência de internações por IAM de residentes de municípios pouco populosos, mesmo com a soma de eventos de 3 anos, faz com que o método do Bayes empírico traga como resultado a média desse indicador para região onde está localizado o município e isso pode não representar com precisão a realidade local.

Fonte

Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Sistema de Internações Hospitalares do SUS (SIH/SUS).

Método de cálculo

Resultado padronizado e ajustado do indicador é igual ao RIE do município com ajuste pelo Bayes empírico multiplicado pelo resultado médio do indicador nos municípios de referência.

O resultado desse indicador é obtido pela aplicação de dois métodos estatísticos, ao mesmo tempo: a padronização indireta por faixa etária e sexo (que diminui a influência das diferenças de faixas etárias e sexo existente nas populações dos municípios) e ajuste pelo Bayes empírico (que reduz a brusca variação do resultado de indicadores em pequenas populações pelo acréscimo ou subtração de poucas unidades no numerador).

Para se chegar a essa equação é necessário:

  1. Calcular a Razão entre Informados e Esperados (RIE) do município que é igual à:

soma do número de óbitos registrados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes no município e pagas pelo SUS, no período avaliado dividido pela soma do número de óbitos esperados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes, no município, no período avaliado.

Razão entre Informados e Esperados ou RIE é um correlato ao termo em inglês Standardized Incidence Rate – SIR ou ao termo Standardized Mortality Rate – SMR.

    1. – Calcular quantidade de óbitos esperados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio, de residentes de 20 anos e mais, no município que é igual ao somatório do produto entre a soma das internações por Infarto Agudo do Miocárdio de 20 anos e mais (IntIAM Sexo Faixa), feminina e masculina, em cada faixa etária, residentes no município (MunRes) e o respectivo resultado do indicador Proporção de óbitos nas internações por Infarto Agudo do Miocárdiode (Pr.ObIAM Sexo Faixa) calculado diretamente para as mesmas faixas etárias femininas e masculinas de residentes em todos os Municípios de Referência (MunRef), no período considerado.

Fórmula = [(IntIAM Fem 20 a 24 anos do MunRes X Pr.ObIAM Fem  20 a 24 anos MunRef) + (IntIAM Fem 25 a 29 anos do MunRes X Pr.ObIAM Fem 25 a 29 anos do MunRef) +........+ (IntIAM Fem 80 anos e mais do MunRes X Pr.ObIAM Fem 80 anos e mais do MunRef) + (IntIAM Masc 20 a 24 anos do MunRes X Pr.ObIAM Masc  20 a 24 anos MunRef) + (IntIAM Masc 25 a 29 anos do MunRes X Pr.ObIAM Masc 25 a 29 anos do MunRef) +........+ (IntIAM Masc 80 anos e mais do MunRes X Pr.ObIAM Masc 80 anos e mais do MunRef)]

    1. Faixas etárias dos sexos feminino e masculino usadas na padronização:

20 a 24 anos, 25 a 29 anos, 30 a 34 anos, 35 a 39 anos, 40 a 44 anos, 45 a 49 anos, 50 a 54 anos, 55 a 59 anos, 60 a 64 anos, 65 a 69 anos, 70 a 74 anos, 75 a 79 anos, 80 anos e mais.

2- Calcular a RIE do município com ajuste pelo Bayes empírico que é igual ao RIE do município sem ajuste multiplicado pelo fator de ajuste Bayes específico do município somado ao produto entre o RIE médio de todos os municípios da mesma região brasileira a que pertence o município e a diferença entre 01 e o fator de ajuste Bayes específico do município.
Fórmula = (RIE do município sem ajuste X Fator de ajuste Bayes específico do município) + [(RIE média de todos os municípios da mesma região brasileira a que pertence o município) X (1 – Fator de ajuste Bayes específico do município)].

O Fator de ajuste Bayes específico do município consiste no fator calculado especificamente para cada município. Esse fator depende da dispersão dos valores dos resultados da RIE sem ajuste, entre todos os municípios da mesma região brasileira a que pertence o município e aumenta progressivamente, de zero (0) a um (1), conforme aumenta o denominador da RIE (Quantidade de óbitos esperados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes no município avaliado).

    1. RIE média de todos os municípios da mesma região brasileira a que pertence o município corresponde ao:

somatório do número de óbitos registrados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes, pagas pelo SUS, em todos os municípios da mesma região brasileira a que pertence o município, no período avaliado dividido pelo somatório do número de óbitos esperados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes, em todos os municípios do mesma região brasileira a que pertence o município no período avaliado.

  1. Calcular o resultado médio do indicador nos municípios de referência corresponde ao somatório número de óbitos registrados nas internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes, pagas pelo SUS, em todos os municípios de referência, no período avaliado dividido pelo somatório de todas as internações por Infarto Agudo do Miocárdio de residentes, pagas pelo SUS, em todos os municípios de referência, no período avaliado.

Municípios de referência citados correspondem aos Municípios de Referência para os parâmetros de acesso à atenção ambulatorial e hospitalar de média a alta complexidade, isto é, o grupo formado por municípios brasileiros que dispõem de uma estrutura de sistema de saúde mais completa, de forma a evitar o viés dos baixos resultados dos indicadores de acesso à atenção de média a alta complexidade devido à deficiência de oferta de serviços.

Categorias sugeridas para análise

Unidade geográfica: Brasil, grandes regiões, estados, Distrito Federal, regiões e saúde e municípios.

Dados estatísticos e comentários

Proporção de óbitos nas internações de residentes por infarto agudo do miocárdio, nos anos de 2008 a 2012, Brasil e regiões.

Os resultados mostram as menores proporções de óbitos nas internações por IAM, na região Sul, uma ligeira tendência de queda na região Sudeste, uma grande variação na região Norte, que junto com Nordeste e Centro-Oeste, apresenta os maiores percentuais em 2011 e 2012, ou seja, acima de 16%.

Todos os resultados estão acima do parâmetro de 10% e muito aquém de resultados internacionais, que são em torno de 7%.

Parâmetro

10% de óbitos nas internações por IAM - Esse valor é 42 % acima dos resultados internacionais, que são em torno de 7%.

Pontuação

Se o resultado for menor ou igual ao parâmetro, a nota será 10.
Se o resultado for maior que o parâmetro, a nota será decrescente, proporcional ao aumento do resultado.

Obtenção dos dados SIH

A obtenção dos dados a seguir segue o padrão de tabulação do TabWin – programa computacional do Datasus que tabula dados das bases nacionais de dados de saúde.

  • Soma do número de internações por IAM pagas pelo SUS, efetuadas para residentes maiores de 20 anos do município, no período avaliado, cujo motivo de saída foi o óbito.

Tabulação dos dados segundo município de residência

Variáveis seleção

Ano de internação

seleção dos anos do período avaliado pelo IDSUS

Tipo de AIH

Normal;

Faixas etárias

20-24a, 25-29a, 30-34a, 35-39a, 40-44a, 45-49a, 50-54a, 55-59a, 60-64a, 65-69a, 70-74a, 75-79a, 80e+a

Sexo:

Tabular separadamente feminino e masculino

Diagnóstico CID10 (categorias

I21 Infarto agudo do miocárdio
I22 Infarto do miocárdio recorrente
I23 Algumas complicações atuais subsequentes infarto agudo miocárdio

Município

residência do usuário

Motivo de Saída- campo de dados do SIH - selecionados das internações por IAM com óbito

  • Óbito com DO fornecida pelo médico assistente
  • Óbito com DO fornecida pelo IML|
  • Óbito com DO fornecida pelo SVO
  • Total de internações por infarto agudo do miocárdio (IAM), em cada faixa etária e sexo, de residentes maiores de 20 anos, de todos os municípios.

Tabulação dos dados segundo município de residência

Variáveis

Seleção

Ano de internação:

seleção dos anos do período avaliado pelo IDSUS

Tipo de AIH:

normal

Faixas etárias:

20-24a, 25-29a, 30-34a, 35-39a, 40-44a, 45-49a, 50-54a, 55-59a, 60-64a, 65-69a, 70-74a, 75-79a, 80e+a

Diagnóstico CID10 categorias

I21 Infarto agudo do miocárdio
I22 Infarto do miocárdio recorrente
I23 Algumas complicações atuais subsequentes infarto agudo miocárdio

Sexo:

Tabular separadamente feminino e masculino

Município

residência do usuário

Motivo de Saída-
campo de dados do SIH:

Óbito com DO fornecida pelo médico assistente
Óbito com DO fornecida pelo IML|
Óbito com DO fornecida pelo SVO
Alta curado
Alta melhorado
Alta com previsão de retorno para acompanhamento do paciente