Indicador nº 17

Proporção de cura dos casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera por local de residência

Conceituação

Percentual de curados entre os casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera, residentes em um território, no período avaliado, ou seja, o número de casos curados de tuberculose pulmonar bacilífera (TB) no total de casos diagnosticados no período da análise, em determinada unidade geográfica.

Interpretação

Representa o êxito no tratamento de tuberculose, a consequente diminuição da transmissão da doença, além de verificar indiretamente a qualidade da assistência aos pacientes.
Proporções baixas de cura de casos de TB podem indicar dificuldade de acesso dos indivíduos aos serviços de saúde
O tratamento diretamente observado (TDO) contribui para o aumento dos percentuais de cura dos casos de TB
As orientações acerca do tratamento de um caso de tuberculose estão preconizadas no Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil 1

Usos

Analisar variações geográficas e temporais no percentual de cura de tuberculose pulmonar bacilífera.
Contribuir para a orientação e avaliação das ações de controle da TB
Subsidiar processos de planejamento, execução, monitoramento e avaliação das ações e serviços públicos relativos à atenção e ao controle da tuberculose.

Limitações

Mede a evolução dos casos diagnosticados, não avaliando qualquer insuficiência na detecção de casos novos (subnotificação).
O atraso na alimentação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e a falta de oportunidade de registro de dados do Sinan e de suas rotinas (análise de duplicidades e vinculação) comprometem a qualidade dos indicadores da vigilância da tuberculose

Fonte

Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN)

Método de cálculo

Proporção de cura dos casos novos de tuberculose pulmonar bacilífera por local de residência

Número de indivíduos residentes, com tuberculose pulmonar bacilífera curados por ano de diagnóstico, em determinada unidade geográfica e período dividido pelo número total de indivíduos residentes, com tuberculose pulmonar bacilífera, em determinada unidade geográfica e período avaliado.

Categorias sugeridas para análise

Unidade geográfica: Brasil, estados, regiões de saúde e municípios.

Dados estatísticos e comentários

Percentual de cura e abandono dos casos de tuberculose bacilífera. Brasil, 2001 a 2010.

 Fonte: Sinan/Secretaria de Vigilância em Saúde/Ministério da Saúde

O percentual de cura de casos de TB bacilífera teve pequeno aumento ao longo dos anos, no entanto, observou-se um pequeno declínio no ano de 2010.

Parâmetro

85% de cura.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o país alcance 85% de taxa de cura para que comece a reverter a situação epidemiológica da doença em uma localidade.

Pontuação

Se o resultado é maior ou igual ao parâmetro, a nota é 10.
Se o resultado é menor que o parâmetro, a nota é diretamente proporcional ao decréscimo do resultado em relação ao parâmetro.

A nota desse indicador, caso o valor seja igual ou superior ao parâmetro, não altera a nota final do IDSUS.
Entretanto, caso o resultado do indicador seja inferior ao parâmetro, cada 1 ponto perdido pelo município na nota do indicador faz com que seja subtraída 0,15 ponto da nota do indicador Proporção de internações de residentes por condições sensíveis à atenção básica, a
qual em conjunto  com outras subtrações devido à perda de pontos de outro indicadores (Cobertura com a vacina tetravalente, Taxa de incidência de Sífilis Congênita em residentes menores de 01 ano e Proporção de cura dos casos novos de hanseníase por local de rsidência) conformam o Índice de Efetividade da Atenção Básica.

Obtenção dos dados

Os dados desse indicador foram disponibilizados pela área técnica da SVS/MS. Por isso a necessidade de solicitar o acesso ao banco de dados, na instância federal ou ainda  à Secretária de Saúde do Estado. Há ainda a opção de acessar o banco do SINAN, disponível na intranet do Ministério, e para isso utilizar a ferramenta TABWIN para a extração das informações conforme a seguir:

1ª ETAPA-Tabulação dos dados referente às informações relacionadas ao encerramento dos casos por ano. 

Seleção das variáveis de interesse:

  • Anos do período de análise
  • Frequência
  • Linhas da tabela: Município de Residência
  • Colunas da tabela: Situação de encerramento (Cura, Abandono, Óbito por tuberculose, óbito por outras causas, transferência e TB Multirresistente), exceto mudança de diagnóstico.
  • Seleção: dos casos novos ou não discriminados, se novos
  • Forma (Pulmonar, pulmonar + extrapulmonar)
  • 1ª baciloscopia de escarro Positivo

2ª ETAPA

Após a obtenção da tabela com os dados por coluna do tipo de encerramento acima, é preciso renomear a coluna CURA para “1ª BARR”_ e renomear a coluna “TOTAL” para “1ª BARR_TOT”, depois salvar a tabela com as informações referentes à 1ª baciloscopia de escarro.

3ª ETAPA
(Realizar a tabulação referente às informações relacionadas 2ª baciloscopia de escarro
Variáveis de interesse:

  • Anos do período de análise
  • Frequência
  • Linhas da tabela: Município de Residência
  • Colunas da tabela: Situação de encerramento (Cura, Abandono, Óbito por tuberculose, óbito por outras causas, transferência e TB Multirresistente), exceto mudança de diagnóstico.
  • Seleção:
  • dos casos novos ou não discriminados se novos
  • Forma (Pulmonar, pulmonar + extrapulmonar)
  • 1ª baciloscopia de escarro Ignorada, Branco, Negativo, Não realizada
  • 2ª baciloscopia de escarro – Positivo

4ª ETAPA
Lembrando que é necessário renomear a coluna CURA para “2ª BARR_ e a coluna “TOTAL” para “2ª BARR_TOT”“ e depois incluir na tabela originada os dados da 2ª baciloscopia de escarro.

5ª ETAPA

  • Realizar a soma das colunas “1ª BARR_CURA” e “2ª BARR_CURA” e criar uma nova coluna SOMA_CURA.
  • Somar também as colunas “1ª BARR_TOT” e “2ª BARR_TOT” e criar uma nova coluna SOMA_TOTAL

6ª ETAPA
Calcular o indicador do município ajustado de acordo com a fórmula no método de cálculo.